Vamos falar de empreendedorismo na aposentadoria? Confira, com Flavio Maluf

Você é aposentado ou está perto de chegar lá? Já pensou o que fazer com essa situação. Pois bem, muitos aposentados não querem — ou, mesmo, não podem, por conta dos compromissos financeiros — parar com as atividades profissionais e o empreendedorismo surge como uma boa opção nesse sentido. Quem apresenta os dados e reporta a notícia é o presidente das empresas Eucatex, o empresário e executivo Flavio Maluf.

A Secretaria da Previdência Social informou que, em 2017, o Brasil registrou 19 milhões de aposentados. Estes em uma faixa etária média de 58 anos. O que acontece, no entanto, é que, muitas vezes, como destacou o portal empreendedor.com.br, a renda da aposentadoria é insuficiente para cobrir todas as despesas familiares.

Para a co-fundadora do Hype60+ — empresa de marketing especializada no público sênior — Layla Vallias, a imagem do aposentado também mudou. Segundo ela, “não existe mais aquela ideia do velhinho de bengala, da senhorinha fazendo crochê”. “Estas pessoas ainda estão ativas. Pela primeira vez na história do mundo, as pessoas ganharam tempo de vida”, acrescentou Layla.  

Ainda conforme a cofundadora, a aposentadoria, para algumas pessoas, pode significar depressão. “O trabalho em nossa sociedade representa muito da nossa vida, da nossa personalidade, de quem a gente é. Quando se aposentam, muitos vão para casa e se deprimem”, enfatiza Layla Vallias.

Bom, não por acaso o último levantamento da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), divulgado ainda em 2016, mostrou que 48,1% das pessoas que estão entre 45 a 64 anos mantêm um empreendimento estabelecido — ainda, só na faixa dos 55 a 64 anos, são 23,9%. Todavia, vale salientar que, quando o recorte é para o empreendedorismo em estágio inicial, apensas 15% das pessoas entre os 55 a 64 anos investem em um novo negócio. “A busca por novos negócios, em uma aposentadoria ativa é desafiadora, mas necessária para quem deseja manter a qualidade de vida e a saúde financeira estável”, acentuou o CEO José Augusto Minarelli, da empresa Lens & Minarelli, especializada em outplacement.

Uma pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) — na qual, foram ouvidas mais de 1,2 mil pessoas com mais de 50 anos — por sua vez, verificou que um em cada dez dos entrevistados que estão perto da aposentadoria afirmaram que desejam abrir seu próprio negócio a curto prazo, aponta Flavio Maluf. “Geralmente são pessoas que nos procuram com um propósito de vida, desde ajudar os outros até aplicar o conhecimento que possuem em novos negócios, diferentes do que atuaram a vida toda”, contou a consultora do Sebrae-PR, Adriana Kalinowski.

Mas como começar?

Fazer um panorama das suas habilidades e conhecimentos é uma boa reflexão inicial. Segundo Layla Vallias, pessoas com idade mais avançada “já passaram por muita coisa, diferentes governos e momentos da nossa história, viram tecnologias surgirem e desaparecerem, e todos estes anos de experiência contam muito na hora de abrir um novo negócio”.

A cofundadora do Hype60+ acrescentou que procurar mentoria ou coaching é um passo importante, visto que isso ajuda o futuro empreendedor a identificar expertises e um possível perfil para empreender. “Muitos trabalharam a vida inteira desenvolvendo uma mesma habilidade. É importante saber identificar o que sabe e gosta de fazer e, a partir daí, começar com o que se sente mais confortável, o que tira de letra, e ir se aprofundando no que precisa aprender”, explicou Layla.

Outros pontos importantes, segundo Adriana Kalinowski, é ativar a rede de contatos — que é destacada pela consultora como um diferencial para os aposentados, por conta de todos os anos de trabalho — e buscar informações e mais conhecimento. “Cursos de planejamento de negócios, finanças, marketing, design. Tudo isso é importante que um empreendedor saiba. Muitos abrem sem o conhecimento do mercado em que desejam empreender, querem fazer algo completamente novo e não fazem uma pesquisa. Entender e conhecer o mercado é fundamental para ter sucesso”, alertou Kalinowski.

Quais negócios os aposentados mais procuram?

Segundo o Sebrae, um percentual de 78,7% dos aposentados que almejam abrir um novo negócio já sabe o que quer fazer. O estudo apontou, ainda, que 59,6% destes desejam trabalhar com o comércio, principalmente nos segmentos de alimentação (25,2%) e lojas de roupas e calçados (6,8%). Outro setor que faz sucesso entre os aposentados é o serviço, que aparece como a preferência de 30,1% dos possíveis novos empreendedores. Consultoria (4,6%), serviços voltados à construção civil e reparo (2,8%) estão entre as principais atividades desejadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s