Além de sobrevivência, sustentabilidade também é marketing — Veja com Flavio Maluf

A atual disponibilidade de informações tem dado poder ao consumidor que, hoje em dia, dá mais importância ao consumo consciente. Marcas engajadas com a proposta de não serem tão agressivas ao meio ambiente, bem como na criação de uma cultura de preservação costumam ganhar atenção positiva diante dos compradores e das mídias. É o chamado marketing sustentável ou marketing verde, como também é conhecido, destaca o presidente das empresas Eucatex, o empresário e executivo Flavio Maluf.

Uma pesquisa realizada no segundo semestre de 2017 pelo IBOPE/Rede Conhecimento Social, a pedido do Observatório do Código Florestal, apontou, por exemplo, que 82% dos consumidores de grandes cidades brasileiras gostariam que os produtos que adquirem seguissem o Código Florestal — que é a principal lei ambiental brasileira. Além disso, um percentual de 60% dos entrevistados afirmou que pagaria um pouco mais por esse tipo de produto.

O levantamento foi realizado com 600 pessoas, nas capitais Brasília, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, reporta Flavio Maluf. O estudo contou, também, com dois encontros, realizados nos últimos meses de outubro e janeiro, para uma análise qualitativa, com representantes de Belém, Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, São Luís e Vitória.

Ainda entre as tantas vantagens do marketing sustentável, em geral, pode-se dizer que ele é muito abrangente. Dentro do agronegócio existem muitas formas simples de investir nesse tipo de marketing, no qual todos saem ganhando. Flavio Maluf destaca que entre as iniciativas estão, por exemplo, priorizar produtos orgânicos, quando possível; criar embalagens biodegradáveis; apostar em recursos de reciclagem; nos processos de produção economizar água, que é um recurso natural não-renovável e fundamental para a vida na Terra; e fazer a rotação de culturas, que implica em alternar o que é cultivado em determinada área.

A adubação verde é, também, outra maneira de produção sustentável, acentua Flavio Maluf. A prática refere-se à utilização de espécies vegetais específicas capazes de melhorar, por exemplo, a capacidade produtiva do solo, e aumentar a sua fertilidade e produtividade. A ideia, com a técnica é minimizar o uso de produtos químicos na produção. Por consequência, diminui-se os gastos e também se evita que esses resíduos sejam descartados de maneira inadequada na natureza.

O número de empresas adeptas à produção sustentável está em constante crescimento e cada uma delas faz questão de estampar onde for possível os seus selos de aprovação ecológica e suas ações em prol do meio ambiente. Entretanto, vale salientar que os benefícios dos investimentos na sustentabilidade não são só para angariar novos clientes e uma imagem positiva.  

No caso do agronegócio, empregar práticas sustentáveis de cultivo e descarte de produtos e embalagens, por exemplo, é uma necessidade para crescer a médio ou longo prazo, enfatiza Flavio Maluf. A poluição da água, o desgaste e a perda de nutrientes do solo, a redução da área cultivável das fazendas, entre outras tantas deteriorações ambientais, são apenas algumas das consequências de uma produção despreocupada em relação às responsabilidades com o meio ambiente. Os prejuízos, nesse caso, estão diretamente ligados ao próprio produtor rural.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s