Confira, com Flavio Maluf, os eventos agro que acontecerão pelo Brasil no mês de março

Marcar presença nos eventos do agronegócio é uma prática importante para quem quer estar atualizado em relação às novas tecnologias que beneficiam o setor. Assim como para quem deseja ganhar visibilidade e angariar novos contatos para a sua rede de relacionamentos, e para quem quer gerar aproximação com o cliente e aumentar a conversão de vendas da sua empresa.

Pensando nisso, o presidente das empresas Eucatex, o empresário e executivo Flavio Maluf, apresenta alguns dos principais eventos agro para o mês de março — são três no Estado do Rio Grande do Sul e um em São Paulo. Confira.

Festa Nacional da Uva

A Festa Nacional da Uva acontece, anualmente, no Estado do Rio Grande do Sul, no Parque de Exposições Mário Bernardino Ramos, em Caxias do Sul. O evento que, este ano, está previsto para ocorrer entre os dias 22 de fevereiro e 10 de março, reúne centenas de expositores que apresentam seus produtos e lançamentos — desde artigos típicos coloniais, até serviços e produtos de alta tecnologia, destaca Flavio Maluf.

O evento é uma das principais festas do Rio Grande do Sul e do Brasil e se trata de uma celebração histórica e da cultura dos imigrantes italianos. “Em 2019, com o tema ‘viva una bela giornada’, a festa resgatará a tradição de um povo. Com muita gastronomia típica e uma agenda cultural que envolve apresentações regionais e nacionais, a festa da uva também se destaca pelos corsos alegóricos, contando a epopéia da imigração com música e muita alegria”, manifestou o site do evento.  

Informações do evento

  • Local: Parque de Exposições Mário Bernardino Ramos, em Caxias do Sul ((RS)
  • Data: De 22 de fevereiro a 10 de março
  • Contato: (54) 3207-1166
  • Site do evento: festanacionaldauva.com.br

Expodireto Cotrijal

Voltada para o campo da tecnologia e negócios, a Expodireto Cotrijal trata-se de uma das maiores feiras do agronegócio internacional. Ela acontece na cidade de Não-Me-Toque, também no Rio Grande do Sul — este ano, entre os dias 11 e 15 de março — e atrai visitantes de mais de 70 países.

“O principal objetivo é aproximar o produtor do conhecimento, das informações, da tecnologia consagrada e sacramentada nos órgãos de pesquisa ou nas empresas privadas, de ótimas oportunidades de negócios e também de importantes debates ligados ao meio rural”, ressaltou o site do evento (www.expodireto.cotrijal.com.br).

Cerca de 250 mil pessoas passam pelo parque em cinco dias de evento, para ver os cerca de 500 expositores das áreas de máquinas e equipamentos agrícolas, produção vegetal, produção animal, agricultura familiar, meio ambiente, pesquisa e serviços voltados ao campo, reporta Flavio Maluf.

A Expodireto Cotrijal acontece desde o ano 2000, ou seja, esse ano já chega a sua 20º edição.

Informações do evento

AnuFood Brazil

A Anufood Brazil é uma feira internacional exclusiva para o setor de alimentos e bebidas. Este ano, ela será realizada entre os dias 12 e 14 de março, no São Paulo Expo, na cidade e Estado de São Paulo.

A feira é inspirada na Anuga, a maior feira de alimentos e bebidas do mundo, e  apresenta um conceito de setorização que abrange toda a diversidade da indústria alimentícia sul-americana. O evento irá abordar temas como as inovações em produtos, o desenvolvimento da indústria, as tendências de consumo e o futuro da segurança alimentar.

Informações do evento

  • Local: São Paulo Expo, em São Paulo (SP)
  • Data: De 12 a 14 de março
  • Contato: (11) 3874-0030
  • Site do evento: www.anufoodbrazil.com.br

Expoagro Afubra

A Expoagro Afubra está prevista para os dias 26, 27 e 28 de março, em Rio Pardo, no Rio Grande do Sul.  Todos os anos, a feira desenvolve uma programação técnica que atenda às necessidades dos produtores rurais e mostre as novidades do setor agropecuário, através de manejos, demonstrações práticas, exposição e informação em áreas temáticas. Tais como: animais, dinâmica de máquinas, agroindústrias, avicultura colonial, dia do arroz, espaço cultural, hortaliças, energias renováveis e viveiro de mudas. Este ano, o evento chega a sua 19º edição.

Afubra significa “Associação dos Fumicultores do Brasil”, salienta o empresário e executivo Flavio Maluf. A entidade surgiu em 1955, com sede em Santa Cruz do Sul (RS), no Rio Grande do Sul, a partir da união de agricultores que tinham como objetivo amenizar o prejuízo causado pelo granizo em suas lavouras de tabaco. Desde sua fundação, a Afubra busca o fortalecimento dos agricultores, o equilíbrio ambiental e a diversificação das atividades agrícolas.

O site da entidade (afubra.com.br) explicou que, quando a Associação surgiu, primeiramente, ela foi chamada de Associação dos Plantadores de Fumo em Folha no Rio Grande do Sul, e tinha foco apenas nos agricultores do Estado. No entanto, os benefícios de se ter uma associação de agricultores despertaram interesse em produtores também dos Estados de Santa Catarina e do Paraná.

“Por isso, no dia 24 de julho de 1963, durante a assembleia geral, ficou definido que a organização atuaria nos três estados Sul do País, tornando-se a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). Neste mesmo ano, a Afubra foi reconhecida como utilidade pública pelo decreto 8.304, do dia 6 de dezembro, na época assinado pelo governador do Rio Grande do Sul, Ildo Meneghetti”, explicou a Associação.

Informações do evento

Gostou de conhecer os eventos agro do mês de março? Quer ficar por dentro das feiras e exposições que acontecerão no Brasil também nos próximos meses de 2019? Então, acompanhe o blog de Flavio Maluf, programe-se e aproveite!

 

Flavio Maluf fala sobre o faturamento das lavouras brasileiras em 2018 — em especial, do café

Em 2018, o faturamento bruto total das lavouras brasileiras chegou ao montante de R$ 383,87 bilhões. O cálculo desse faturamento, especificamente para as lavouras, contempla 21 produtos agrícolas, reporta o presidente das empresas Eucatex, o empresário e executivo Flavio Maluf. Vale salientar, também, que esse cálculo considera os preços médios recebidos pelos produtores rurais.

O ranking dos cinco produtos que apresentaram maior faturamento no ano passado é o seguinte:

  1. Soja, com R$ 142,36 bilhões, que equivale a 37% do faturamento total;
  2. Cana-de-açúcar, com R$ 61,08 bilhões, que equivale a 16% do faturamento total;
  3. Milho, com R$ 47,12, que equivale a 12% do faturamento total;
  4. Algodão herbáceo, com R$ 33,99 bilhões, que equivale a 9% do faturamento total; e
  5. Café, com R$ 24,92 bilhões, que equivale a 6,5% do faturamento total.  

Flavio Maluf ressalta que, a respeito do café, os R$ 24,92 bilhões são referentes tanto ao café conilon, que teve receita de pouco menos R$ 5 bilhões, o que representa em torno de 20% do faturamento total do produto; quanto ao café arábica, que atingiu cerca de R$ 20 bilhões, o que significa em torno de 80% do total do faturamento do café.

Vale destacar que os dados e números do chamado Valor Bruto da Produção (VBP) de cada produto agrícola são coletados e sistematizados pela Secretaria de Política Agrícola (SPA), do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), desde 2005.

Em relação, especificamente, aos Cafés do Brasil, desde de julho de 2014 as edições do VBP passaram a ser disponibilizadas no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. Esses dados possibilitam a realização de diversas análises e comparações da evolução da cafeicultura, pontua o Flavio Maluf.

Ainda, para a safra 2019 de café, as estimativas preliminares apontam para uma queda de 10% no faturamento bruto da lavoura cafeeira, que deverá atingir, este ano, o montante de R$ 20,77 bilhões. Tal redução é justificada pelo efeito da bienalidade negativa que aponta uma queda de 10,8% na produção em 2019 quando comparada com a safra colhida ano passado, reporta o presidente das empresas Eucatex.

Previsão para a safra de 2019 — Outros produtos

Estudos realizados por analistas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgados em agosto de 2018, indicaram as tendências das principais culturas agrícolas para a safra 2019. Em especial, soja, milho e arroz.

Para a soja

No que se refere à próxima safra de soja, a análise da Conab aponta para os dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), destaca o executivo Flavio Maluf. A estimativa do USDA é de que, em 2019, a safra mundial do produto em grãos deve ser a maior da história, com 367 milhões de toneladas. Desse total, os Estados Unidos devem plantar 124 milhões, já o Brasil, 120 milhões de toneladas.

Quanto à China, o documento pontuou “Como a China produz apenas 14,5 milhões de toneladas de grãos e esmaga 95,00 milhões de toneladas, para safra 2018/19 deverá continuar como maior importador de soja mundial, com cerca de 61,54% de toda soja em grãos importada. Segundo o USDA, a China deve reduzir as suas importações mundiais em 2,06%. O principal fator desta redução é a guerra comercial entre Estados Unidos e China, pois os chineses taxaram em 25% a soja dos Estados Unidos, o segundo maior exportador de soja para este país”.

O analista de mercado de soja da Conab, Leonardo Amazonas, explicou que “os chineses estão taxando em 25% a soja em grãos americana e, com isso, as exportações de soja no Brasil deverão manter-se aquecidas no próximo ano”. “Somos o único país capaz de vender o produto e ocupar o espaço deixado pelos norte-americanos”, acrescentou o analista, “por isso, a área de soja brasileira para a safra 2018/2019 deve aumentar”, completou.

Para o Milho

Flavio Maluf reporta que, conforme as estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento, o produtor tende a encontrar nessa próxima safra um cenário mais confortável tanto no abastecimento do milho no mercado quanto nos preços domésticos.

Entretanto, o documento que foi publicado em agosto do ano passado, antes das eleições, já fazia a seguinte ressalva: “Deve-se levar em consideração que a depender do resultado das eleições presidenciais e seus efeitos na economia nacional, o dólar pode variar significativamente, afetando as condições de paridade, bem como os preços internos”.

Ainda segundo as análises da Conab, as questões do frete também serão fundamentais para o direcionamento do mercado de milho. “De qualquer maneira, é primordial que o produtor brasileiro observe as oportunidades de mercado não só para atendimento do mercado externo, como, principalmente, para a demanda interna que, nas últimas safras, em alguns momentos do ano, tem se permitido pagar um pouco mais do que as tradings”, acrescentou o documento.

“No cenário externo, oportunidades como China e México não devem ser deixadas de lado, ressaltando, todavia, que os Estados Unidos devem continuar, ao que tudo indica pelo desenvolvimento das lavouras do Meio Oeste, com uma excelente produção e que não estarão dispostos a perder participação de mercado para Brasil e Argentina, mesmo com a atual política comercial de Donald Trump”, completou a Conab sobre a próxima safra de milho.

Para o arroz

“É importante destacar a evolução do mercado orizícola brasileiro no competitivo mercado internacional, apesar de todas as dificuldades enfrentadas pela cadeia produtiva”, frisou o documento da Companhia Nacional de Abastecimento.

Os estudos da Conab explicaram que “o grão brasileiro tem sido direcionado principalmente para o mercado latino-americano e africano e, ao se considerar a alta qualidade do produto brasileiro, há potencial de expansão das exportações brasileiras. Entretanto, o alto custo de produção em razão da elevada carga tributária brasileira é o principal fator que diminui a competitividade do arroz brasileiro e dificulta uma maior ampliação de mercado”.

O empresário e executivo Flavio Maluf acentua que o documento na íntegra pode ser acessado no site da Conab.